TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES CRIOPRESERVADOS (TEC)

Em que Consiste

A criopreservação do embrião é o processo de congelação e armazenamento dos embriões extra. Os embriões são então descongelados e usados mais tarde. A criopreservação do embrião é uma parte vital da maioria dos programas de Fertilização In Vitro.

Procedimento

Quando existem embriões excedentários após um tratamento de FIV ou ICSI estes são criopreservados para que a mulher ou o casal possam utilizá-los numa segunda tentativa de gravidez, caso um primeiro ciclo não tenha sido bem-sucedido, ou se pretenderem ter outro filho. A criopreservação de embriões evita que a mulher tenha que ser submetida a um novo processo de indução da ovulação, punção e fertilização dos ovócitos.

Caso a mulher ou casal não pretendam utilizar os seus embriões, resultantes de tratamentos, podem autorizar que sejam doados, para ajudar outras pessoas a concretizar o seu projeto de parentalidade, ou disponibilizá-los para o desenvolvimento de investigações científicas. Podem ainda decidir pela destruição dos embriões.

De acordo com a lei portuguesa, se os embriões criopreservados não forem utilizados no prazo de três anos, a mulher ou o casal devem deslocar-se ao centro para assinar um consentimento de manutenção da criopreservação por um período adicional de três anos. Findo este prazo, se os embriões não tiverem sido utilizados, serão descongelados e eliminados.

Benefícios

  • Reduz os riscos de gestação múltipla
  • Preserva o potencial de fertilidade face a certos procedimentos médicos necessários
  • Aumenta a chance de ter uma ou mais gravidezes de um único ciclo de estimulação do ovário
  • Para minimizar o risco médico e o custo para o paciente, diminuindo o número de ciclos estimulados e recuperação de óvulos
  • Atrasa temporariamente a gravidez e diminuir os riscos de hiperestimulação congelando todos os embriões, quando este risco é elevado.

Transferência de Embriões

O processo de transferência de embriões congelados envolve sincronizar o revestimento uterino para corresponder à fase de desenvolvimento do embrião ou embriões a transferir. O ciclo começa por cultivar o forro uterino com estrogénio a uma espessura recomendada e aparência na ecografia. A adição de progesterona avança o forro para corresponder à fase dos embriões a transferir. Uma vez preparado o útero, os embriões são transferidos para o útero da mesma forma que ocorreriam num ciclo de embrião fresco.

Criopreservação

A criopreservação é uma técnica que envolve o congelamento de embriões, espermatozoides e ovócitos (óvulos). A técnica utilizada para óvulos e embriões é conhecida como vitrificação. A vitrificação é um processo que permite o rápido congelamento em soluções que protegem contra as tensões secundárias ao congelamento (formação de cristais de gelo e efeitos osmóticos das soluções). O desenvolvimento desta técnica tornou os ciclos de tratamento de embriões congelados e óvulos muito mais bem sucedidos do que no passado